Música, afetos e processos de subjetivação com jovens de baixa renda

martha.png Martha Bento Lima é pós-doutoranda na Universidade Federal Fluminense no Brasil, e investigadora visistante no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.


Venho de uma formação em Música, Biodança e Psicologia, sendo as primeiras determinantes no modo como encaminhei minha formação no campo psi. A experiência com os dispositivos artísticos, seja por meio de uma prática e formação musical, e também por meio de uma formação em Biodança, prática que tem a música e a dança como dispositivos artísticos – terapêuticos, produziu em mim questionamentos / inquietações durante minha formação em Psicologia, que permearam uma reflexão crítica de uma abordagem da subjetividade que abrangesse a dimensão ético-estética- política da natureza humana, abrindo-se assim a compreensão dos modos de vida através dos dispositivos da arte, em especial; da música. Nesse percurso, realizei projetos com jovens de baixa renda no Brasil.

Continuar a ler

Uma sociologia leve e profunda

emanuelEmanuel Cameira é estudante de  doutoramento em Sociologia no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.


Jeremias van Winghe (1578-1645)_Cena de cozinha_1613.jpg

Jeremias van Winghe (1578-1645)
Cena de cozinha, 1613

Extraído de Um quarto que seja seu: “O almoço começou com linguados imersos num molho espesso e branco, preparados pelo cozinheiro da universidade”[i]. Tais palavras, da autoria de Virginia Woolf, vieram-me de imediato à lembrança enquanto lia a entrevista dada pelo sociólogo José Machado Pais à também socióloga Marcela Fernanda da Paz de Souza, publicada este ano na brasileira Revista de Ciências Sociais. Continuar a ler

Como pensam os Portugueses, hoje, a vida familiar?

Autores:

vascoVasco Ramos, Sociólogo e Investigador no ICS-ULisboa

vanessaVanessa Cunha, Socióloga e Investigadora no ICS-ULisboa

susanaSusana Atalaia, Socióloga e Investigadora no ICS-ULisboa


Quais as atitudes dos Portugueses perante a vida familiar? Como pensam, atualmente, a coabitação, o casamento e o divórcio? Como encaram o trabalho dentro e fora de casa considerando o género dos membros do casal? Que papel os pais reservam aos filhos na vida familiar? A análise de alguns indicadores do módulo Family and Changing Gender Roles integrado no inquérito ISSP – International Social Survey Programme[i] – aplicado em 2014, permite responder às questões colocadas e avaliar a mudança social ocorrida nesta esfera da vida dos portugueses. Continuar a ler

LIFE: a vida deste blogue

«A Sociologia Pública traz a sociologia para uma conversação com públicos (…). O projeto dessas sociologias públicas é tornar visível o que é invisível».

Michael Burawoy (2006)

Esta posição de Michael Burawoy, tomada no seu texto Por Uma Sociologia Pública[1] (2006: 14-15), pode facilmente extravasar os limites disciplinares da sociologia e subsidiar as ciências sociais em geral. E é a partir dela que damos o mote à vida deste blogue.

O objetivo fundamental deste blogue é, justamente, tornar visível e divulgar, na esfera pública, a vida académica do grupo de investigação LIFE – Percursos de Vida, Desigualdades e Solidariedades: Práticas e Políticas, um grupo de investigação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

invgipercursos001

O LIFE faz investigação fundamental e aplicada sobre velhas e novas formas de produção de desigualdades e solidariedades sociais, procurando compreender o seu impacto nos percursos de vida dos indivíduos, na sua vida quotidiana e nos seus estilos de vida, a uma escala nacional, europeia e transnacional.

Partilhamos uma perspetiva de diálogo e pluralidade disciplinar, teórica e metodológica, combinando perspetivas sociológicas, históricas, demográficas, antropológicas, económicas e psicológicas, de filiações teóricas diversas, e recurso a métodos quer quantitativos, quer qualitativos.

A nossa investigação desenvolve-se em torno de cinco áreas principais, que se intercruzam entre si e se diversificam em muitos objetos de estudo:

  1. Transformações do percurso de vida;
  2. Famílias, jovens e crianças;
  3. Envelhecimento, saúde e bem-estar;
  4. Género, corpo e sexualidade;
  5. Culturas, media e estilos de vida.

Considerando a vida académica deste grupo de investigação, o blogue LIFE pretende disseminar resultados dos seus projetos de investigação, eventos e debates científicos, reflexões de natureza ética, teórica e metodológica, suas articulações com a esfera pública e a esfera das políticas públicas, e muitas outras atividades desenvolvidas no âmbito deste grupo de investigação.

Enquanto impulsor de uma ciência social pública, este blogue pretende ainda promover o debate e o impacte da produção científica do grupo de investigação LIFE junto dos seus diversos públicos, sejam pares (cientistas sociais ou de outras áreas científicas), sejam interlocutores que encontra em diversas esferas sociais, com interesses diversificados nas áreas temáticas que pesquisamos.

Assim, este bloque também estará aberto à publicação de pequenos textos escritos por quem nos lê e nos segue, e que pretenda dar o seu ponto de vista sobre o que escrevemos e fazemos, discutindo a sua relevância social, os seus impactes em diferentes esferas da vida, e facultando diferentes pontos de vista e interpretações sobre a nossas práticas de investigação e respetivos resultados.

Ao acompanharem este blogue, terão pois oportunidade de acompanhar mais de perto as nossas discussões e os resultados das nossas pesquisas, bem como de debatê-los e com eles dialogar, tendo sempre em mente a aproximação entre o mundo académico e a sociedade. Siga-nos também no facebook.

A equipa editorial do Blog LIFE

Vitor Sérgio Ferreira (coord.), Pedro Alcântara da Silva, Vasco Ramos, Verónica Policarpo, Tatiana Ferreira.


[1] Michael Burawoy é professor do Departamento de Sociologia da Universidade da Califórnia em Berkeley e foi presidente da Associação Americana de Sociologia. O texto a que nos referimos pode ser encontrado aqui.