Ainda há pouco tempo, no Face, a gente falou…

ver.pngVerónica Policarpo, Socióloga e Investigadora Pós-Doc no ICS-ULisboa


thedogs.jpg

1870, Harrison Weird, The Dogs’ Dinner Party[i] 

Foi com estas palavras que Rute, 42 anos, casada e com dois filhos, iniciou a nossa conversa sobre a sua rede de amigos, e o lugar que estes ocupam atualmente, na sua vida. Nascida e criada num bairro da periferia de Lisboa, foi a brincar na rua, com vizinhos e colegas de escola, que construiu as suas amizades mais perenes. Mas à medida que o tempo foi passando, acompanhado das suas diferentes fases de vida, a distância foi-se instalando. Até que um dia, alguém falou a Rute de uma ferramenta onde se poderia encontrar “muita gente”.

A história de Rute ilustra como os media sociais se instalaram nas nossas vidas de forma mais ou menos paulatina, ao ponto de parecer praticamente impossível vivermos um dia inteiro completamente desconectados. Facebook, Whatsapp, Instagram, Twitter, Snapshot… Continuar a ler

Envelhecimento em Lisboa, Portugal e Europa

pmf.pngPedro Moura Ferreira é Sociólogo, Investigador Auxiliar no ICS-ULisboa e Coordenador do Instituto do Envelhecimento


978-972-671-376-0-1

O livro Envelhecimento em Lisboa, Portugal e Europa: Uma perspetiva comparada, de Manuel Villaverde Cabral, Maria Toscano e Pedro Alcântara da Silva, recentemente editado pela Imprensa Ciências Sociais, dá conta de um estudo comparativo entre a população portuguesa sénior residente em Lisboa e a população da mesma faixa etária residente no conjunto de Portugal, assim como em três países europeus escolhidos para efeitos comparativos ─ Espanha, Suécia e República Checa. Com o fim de sustentar a reflexão e o debate sobre as políticas públicas em torno do envelhecimento, a investigação visou estabelecer o perfil sociodemográfico, atitudinal e comportamental da população sénior da cidade de Lisboa, tendo em consideração o enquadramento nacional e europeu.

O livro tem duas particularidades que devem ser ressaltadas.

Continuar a ler

Reflexões sobre o (encantado) ofício da investigação: percursos de uma pesquisadora com a lata na cabeça…

rosane.png Rosane Castilho é psicóloga, professora na Universidade Estadual de Goiás (Brasil). Neste momento é investigadora visitante no ICS-ULisboa com o projeto -‘O projeto de vida como estratégia de desvelamento das possibilidades de futuro de jovens estudantes das periferias de Goiânia, Lisboa e Madrid: Representações, perspectivas e desafios de um devir’


Minha trajetória de investigação com jovens inicia-se já na Graduação (Licenciatura) em Psicologia, na Universidade Católica de Goiás. Lá, subindo em ombros de gigantes como Vigotsky – que me ensinou que a subjetividade individual é fortemente permeada por uma subjetividade social -,  e Freud – que me ensinou que o trabalho de construção de uma teoria envolve a humildade de reconhecer algumas ‘falhas’ na interpretação dos motivos da ação deste ser absolutamente complexo e fascinante que é o humano – , pude entrar em contato com um mundo de possibilidades de interpretação, não obstante as distinções epistemológicas que aproximam ou distanciam (apenas aparentemente, pois prefiro pensar que atravessam e enriquecem) a vida experimentada do conhecimento. Continuar a ler