Cuando el territorio es una herramienta para Trabajo Social: la organización de los cuidados en mayores dependientes en el entorno del hogar en Andalucía (España)

foto.pngMª Ángeles Minguela Recover é professora no Departamento de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social da Universidade de Cádiz e investigadora visitante no ICS-ULisboa.


La vinculación del Trabajo Social y su implicación con el territorio, y viceversa, se transforma en una unión casi indisoluble, desde la intervención profesional hasta la investigación. Entre los referentes que inspiran y justifican mi reflexión sobre la importancia de incorporar la perspectiva territorial a la investigación para trabajo social se encuentran principalmente:

En primer lugar, la precursora Octavia Hill (1838-1912) conocida como la gran reformadora de la política de la vivienda, con la implantación de un sistema de alquileres a bajo precio para familias trabajadoras en la zona Este de Londres (caracterizada porque gran parte de su población que vivía por debajo del umbral de la pobreza).

En segundo lugar, Mary E. Richmond (1861-1928), la referente fundacional de la profesión del trabajo social, en su obra el Diagnóstico Social (1917) dónde describe sistemáticamente el proceso de intervención, desde la recopilación de información personal y social, hasta la evaluación de la actuación profesional, en la que se incorpora y dimensiona dentro del análisis, la dimensión territorial entendida como entorno social habitual de la persona. Continuar a ler

Avaliação de ações para idosos e envelhecimento em serviços de atenção primária

nadia.pngNádia Placideli é gerontóloga, doutoranda da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, departamento de Saúde Coletiva, e doutoranda visitante no ICS-ULisboa.


 

imag1

Como os serviços de Atenção Primária à Saúde (APS) estão organizados quanto à oferta e implementação de ações na atenção à saúde da pessoa idosa e ao envelhecimento? Esta é a questão norteadora da minha pesquisa realizada em São Paulo (Brasil) e em Lisboa (Portugal), a qual teve como objetivo avaliar a qualidade da organização de ações à saúde da pessoa idosa e envelhecimento em serviços de Atenção Primária à Saúde (APS) de uma Rede Regional de Atenção à Saúde (RRAS).

Foi desenvolvida pesquisa avaliativa, baseada na avaliação de 157 serviços de APS em quarenta e um municípios, compreendidos em uma Rede Regional de Atenção à Saúde, no centro-oeste do estado de São Paulo, a partir da aplicação do Questionário de Avaliação da Qualidade de Serviços de Aten­ção Básica (QualiAB), em 2014. Continuar a ler

A mutação demográfica em curso e o envelhecimento na sociedade brasileira: alguns indicadores

revalino.png

Revalino António de Freitas – Professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás, e Investigador Visitante no ICS-ULisboa


Após décadas de pouca mobilidade, ao longo de quase todo o século XX, a estrutura etária da sociedade brasileira começou a ter uma forte mudança com consequências em todas as idades. Essa mutação, ainda inconclusa, permite apontar para uma nova reconfiguração, com a sociedade majoritariamente adulta e presença ascendente de pessoas idosas.

Gráfico 1grafico1_revalino

Fonte: IBGE. Censos Demográficos. Adaptado pelo Autor.

No Brasil, os contornos que estabelecem a velhice são definidos social e juridicamente através de mudanças sociais em curso após a promulgação da Constituição Federal de 1988 e que são sintetizados no Estatuto do Idoso. Trata-se de um estatuto jurídico-normativo que sanciona a outorga de direitos, no caso em decorrência de uma política internacional orientada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que define como pessoa idosa que tem 60 anos ou mais. A partir do recorte temporal, uma ampla legislação é estabelecida, definindo que os direitos das pessoas idosas são de responsabilidade, pela ordem, da família, da comunidade, da sociedade e, por fim, do poder público. Continuar a ler

Envelhecimento em Lisboa, Portugal e Europa

pmf.pngPedro Moura Ferreira é Sociólogo, Investigador Auxiliar no ICS-ULisboa e Coordenador do Instituto do Envelhecimento


978-972-671-376-0-1

O livro Envelhecimento em Lisboa, Portugal e Europa: Uma perspetiva comparada, de Manuel Villaverde Cabral, Maria Toscano e Pedro Alcântara da Silva, recentemente editado pela Imprensa Ciências Sociais, dá conta de um estudo comparativo entre a população portuguesa sénior residente em Lisboa e a população da mesma faixa etária residente no conjunto de Portugal, assim como em três países europeus escolhidos para efeitos comparativos ─ Espanha, Suécia e República Checa. Com o fim de sustentar a reflexão e o debate sobre as políticas públicas em torno do envelhecimento, a investigação visou estabelecer o perfil sociodemográfico, atitudinal e comportamental da população sénior da cidade de Lisboa, tendo em consideração o enquadramento nacional e europeu.

O livro tem duas particularidades que devem ser ressaltadas.

Continuar a ler