“Food in transition(s)”. Práticas alimentares ao longo do percurso de vida | 12 Janeiro | 11h





Na próxima terça-feira, dia 12 de janeiro de 2021, o LIFE Webinars contará com a participação de Vasco Ramos, do ICS-ULisboa.


Continuar a ler

Sílvio Carvalho e a performance biográfica pela canção com docentes do ensino básico

RESEARCHING_LIVES.png

Sílvio Roberto Silva Carvalho, graduado em Pedagogia e doutor em Artes Cénicas, é professor adjunto da Universidade Federal da Bahia.

Ateliês de performances biográficas pelas canções populares: impactos de uma experiência (autoformativa) é a pesquisa de pós doutoramento que desenvolve como investigador-visitante no ICS-ULisboa, com a supervisão de José Machado Pais.

Que estudo tem em mãos?
Um estudo sobre a potência da canção popular na produção de processos de subjetividade, desenvolvida no meu doutoramento (Construções Biográficas pelas Canções Populares), e que será publicada, ainda este ano, pela Cátedra de Leitura da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Há um ano retomei a pesquisa sobre a temática, com foco na formação continuada de professores da Escola Básica. A estratégia é a realização de ateliês de performances biográficas pelas canções, com professores da Escola Básica, nas cidades de Braga e Guimarães.

Infelizmente, a pandemia interrompeu o andamento do projeto. Os sujeitos da pesquisa, com o ensino remoto, não tiveram condições físicas e psicológicas para continuarem, mesmo virtualmente. Portanto, estou a repensar o projeto.

Como o situa no seu percurso biográfico/académico?
Nunca pensei ser professor. Sempre quis ser artista. Desde os 12 anos toco violão, gosto de cantar e contar. Acontece que sou de uma família pobre, nascido em uma cidade pequena do interior da Bahia, onde livros eram coisa rara. Mas os sonhos de estudar, ser artista e morar na cidade grande eram maiores que as limitações. Ao chegar em Salvador, com 18 anos, tive que trabalhar para me sustentar e ajudar meus pais nas despesas com a família que, àquela altura, era formada por mais seis filhos além de mim, o mais velho. A vida foi difícil, mas com muitas possibilidades.

Ao fazer o vestibular para ingressar na Universidade não tive dúvida: matriculei-me no curso de música. Fui aprovado, mas não pude cursá-lo, o curso era diurno e eu trabalhava o dia inteiro. Como só tinha horário livre à noite, procurei um curso noturno. O único que me agradou foi pedagogia. Na universidade descobri que havia muitas possibilidades para incluir as minhas artes nos processos pedagógicos.

Todo o meu percurso de pesquisa (especialização, mestrado e doutorado), de uma certa maneira, foi voltado para questões relacionadas à leitura de mundo, de si e do outro, sempre utilizando-me da canção. E por trabalhar com essas questões de leitura, senti-me estimulado e, de certa maneira, na obrigação de pensar uma metodologia de trabalho que possibilitasse a ressignificação das questões subjetivas dos sujeitos participantes, que gerasse uma abertura na relação desses com os saberes formais e não formais e, consequentemente, que pudesse ser um campo concreto de pesquisa.

Amparado nas abordagens (auto)biográficas, passo a desenvolver os ateliês de performances biográficas pelas canções populares, uma proposta teórico-metodológica de autoformação, que, através das histórias de vida, busca colocar em cena o “eu” e o “outro” e tem como ponto de partida as canções que marcaram as vidas dos sujeitos. É com esse trabalho que me coloco na condição de pesquisador e educador, inclusive como investigador-visitante do ICS. Mas gosto muito de me afirmar como professor-artista. Ou vice-versa, a depender da situação.

O violão, as canções e as narrativas sempre estiveram presentes na minha vida de estudante de pedagogia, de professor universitário, de palestrante etc. Não sei fazer nada sem envolver essa tríade, sem trazer a minha arte intuitiva.

O recolhimento e o isolamento social gerados pela atual situação pandémica inspiraram muitas canções e performances em novas janelas. Inspirador para o seu objecto e/ou método de estudo?
Certamente. O recolhimento e o isolamento social foram fundamentais para repensar o meu objecto e o próprio método de estudo. Por exemplo, vi a possibilidade de construir um formato online para desenvolver os ateliês. Embora já tivesse feito muita coisa nas linguagens das novas tecnologias, ainda não tinha pensado, concretamente, na possibilidade de realizá-los virtualmente.

Neste período, também, observei a música como a grande companheira de muitas pessoas, inclusive daquelas que não tinham ou perderem o hábito de ouvir música de forma contemplativa. Eu mesmo me vi apreciar, de forma muito diferente, canções que considerava razoáveis. Durante o isolamento social, essas canções ganharam, de mim, novos significados.

O recolhimento e o isolamento social inspiraram-me, também, a produzir novas canções e performances em novas janelas. Pelo menos uma nova canção ficará pronta até o meu retorno ao Brasil. Novas performances foram produzidas por mim durante o respectivo período, em forma de série de vídeos: Histórias de Maria. É um trabalho autobiográfico, centrado nas ambiências afetivas produzidas pela personagem principal: Maria.

Onde viveu a maior parte da sua vida e o que gostaria de destacar desse lugar?
A maior parte da minha vida vivi em Salvador/Brasil. Saí da minha terra natal, Inhambupe (interior da Bahia), com 18 anos, a fim de estudar e trabalhar na capital.

Inhambupe era uma pequena cidade do nordeste brasileiro, marcada por uma praça, uma igreja católica no centro, algumas ruas, duas escolas primárias e um colégio secundário, uma população urbana com aproximadamente 4 mil habitantes, uma feira animada por cantadores de cordel, um cinema improvisado e um alto-falante que funcionava das 18 às 22 horas, com energia elétrica à base de um gerador que só funcionava, também, nesse mesmo período de horas.

Livros, por lá, eram coisa rara. Mas, até à adolescência, as narrativas e as canções lançaram mundos na minha imaginação e ajudaram-me a transpor os limites impostos pelas condições econômicas em que vivíamos. Em outras palavras, foram o ponto de partida para que algo se movesse em mim, fizeram-me romper tratados, trair ritos, ajudaram-me a ampliar o tempo, a transcender o presente e a inventar mares e cais. Ou seja, impediram-me de ficar fora do mundo.

Por fim, as narrativas e as canções de alto-falante (conceito que uso na minha tese) foram os meus livros, fizeram-me leitor. Essas experiências, construídas em Inhambupe, foram imperativas na minha formação, no meu gosto pela palavra, pela música, pela arte.

Em Salvador, o encantamento com o mundo urbano. Os cinemas, os teatros, a universidade, o estádio de futebol, os bares, o mar… Apaixonei-me pela cidade. Hoje, é nela e dela que vivo. De Inhambupe trago os princípios, os valores, as crenças, os saberes não formais. De Salvador, a formação acadêmica, a descoberta de novas belezas, a sobrevivência.

Que músicas e que histórias biográficas vêm despertando da sua vivência em Portugal?
Nesses tempos de isolamento, até mesmo pelo fato de não ter podido desenvolver os ateliês junto aos professores das escolas selecionadas para a pesquisa, muitas foram as canções que me visitaram, inclusive os fados antigos que ouvia quando era criança. Contudo, a emoção mais forte aconteceu no dia primeiro de maio.

Às 20 horas, inesperadamente, ouvi os sinos da igreja, que fica ao lado da minha casa em Braga, tocarem “Treze de Maio”, canção religiosa que conta a aparição da Virgem Maria aos pastorinhos de Fátima. Logo nas primeiras notas, indentifiquei os primeiros versos: “A treze de maio / na Cova da Iria / No céu aparece / A Virgem Maria”. A minha infância veio toda e fiquei muito emocionado. Primeiro, as imagens das meninas da minha terra natal vestidas de anjos, a levar flores para Nossa Senhora durante todo o mês de maio. Depois, as imagens da minha madrinha a contar-me a história dos três pastorinhos, da Cova da Iria, da cidade de Fátima, da aparição da Virgem, e eu ali, junto a ela, com medo de que a Santa aparecesse para mim.

A partir desse dia, uma nova canção vinha-me à lembrança e remetia-me ao período da minha infância, em Inhambupe. A emoção era muito forte e fazia lembrar-me da minha madrinha a contar-me uma história ou a ouvir o repertório musical que tocava no rádio da sua casa. Foram tantas as lembranças que resolvi contar as minhas primeiras experiências estéticas e de descobertas do mundo construídas nas ambiências leitoras produzidas por Maria, a madrinha.

A princípio, resolvi escrever crônicas. Por fim, produzi uma série de vídeos, com sete episódios, cada um em torno de quinze a vinte minutos, intitulada Histórias de Maria. Na verdade, essa passou a ser a minha atividade de produção acadêmica e artística: pesquisar sobre a díade marcada, principalmente, pela reciprocidade e o afeto. Assim, criei um cenário que pudesse remeter a um ambiente doméstico permeado pela leitura. Sentado em uma cadeira, ao lado de uma pequena mesa com livros, uma caneca e um lampião, eu conto e canto as histórias e canções que marcaram a relação entre o menino e sua fada madrinha. A série está disponibilizada no meu canal de Youtube. As canções que me chegavam eram de gêneros diversos. Foi uma experiência maravilhosa e acho que vai terminar em um livro.

No prelúdio da canção “Acho que chegou a hora”, o músico português Tiago Bettencourt diz que “não é boa ideia deixar assuntos pendentes a não ser que seja numa canção”. Alguma coisa pendente, na sua busca, neste momento? Ou alguma canção para o exprimir?
Nas canções, alguma coisa sempre parece ficar pendente. Mas não é mesmo boa ideia deixar assuntos pendentes. A minha mãe nos botava sentados ao seu lado para bordarmos enormes peças de cama e mesa. Eventualmente, ela alertava: “Preste atenção à costura. Se der um ponto errado desfaça-o imediatamente. Com a costura pronta não tem como desfazer-se um ponto errado”. Entretanto, por mais cuidado que se tenha com o bordado, alguma pendência parece ficar.

A pandemia produziu, entre outras coisas, frustrações. A minha grande frustração, que tomo como pendência, foi: o trabalho de investigação e formação que me propus a desenvolver, aqui em Portugal, não pode ser concluído. Apesar de ter apelado para outras formas, como o virtual, não consegui realizar os ateliês. Essa é uma pendência, uma grande frustração.

É claro que construí outras coisas. Mas a minha vinda foi com esse objetivo e esse ainda não foi cumprido. Portanto, como diz uma canção minha e da Roseana Murray, chamada Espera: “Aqui estou / De pé na sua porta / Na sua pele / Bato palmas / Toco os sinos / Num sortilégio estranho / Digo o teu nome tantas vezes / Que o mar adormece”. Espero, assim, voltar um dia e resolver essa pendência.

O que esperava encontrar na Academia portuguesa?
Esperava encontrar um ambiente rico em produções acadêmicas, muito formal e com grandes possibilidades para a ampliação dos meus estudos. Além disso, esperava encontrar as condições ideais para o trabalho acadêmico, uma vez que, no Brasil, temos muitas dificuldades de toda ordem (administrativa, econômica e política).

O que já encontrou?
Tudo o que eu esperava. Nesse sentido, a minha expectativa não foi frustrada. Ao contrário. Além de encontrar um ambiente com muita produção científica, com grandes possibilidades para a ampliação dos meus estudos, experienciei, aqui, coisas pouco comuns no mundo acadêmico. Primeiro, a solidariedade, a generosidade e a sensibilidade do Professor José Machado Pais, meu supervisor. O acolhimento do Professor Vitor Sérgio Ferreira, ao me convidar para participar dos seminários do Grupo LIFE, foi, também, uma marca da generosidade e sensibilidade que cercam o ICS.

Segundo, destaco a maneira generosa como o meu trabalho de pesquisa e formação, tanto em Lisboa como em Braga e em Guimarães, foi recebido. Em Braga, tive ainda o apoio incondicional do Professor Carlos Veiga, da direção da Escola André Soares e das professoras que se envolveram no projeto de pesquisa e formação. Em Guimarães, o apoio da Professora Luíza foi também generoso. Portanto, retornarei ao Brasil com a melhor impressão possível sobre a Academia Portuguesa e, especialmente, sobre as pessoas com quem tive contato direto.

Bio

É graduado em Pedagogia e doutor em Artes Cénicas. É professor adjunto da Universidade do Estado da Bahia e trabalha com temáticas voltadas para a (auto)biografia, arte, educação, formação de professores, leitura e família. Pesquisa sobre a potência da canção na produção de subjetividades e desenvolve, em diversos grupos e instituições, o Ateliê de Performances Biográficas pelas Canções Populares, proposta metodológica para a autoformação e construção de uma ética crítica e interpretativa, da vida como um valor. Atua como palestrante e consultor. É, também, cantor, compositor e contador de histórias.

Follow him on…
Youtube

À espera de a vida real reiniciar…

Life_GOES ON 1


Madelon Schamarella, doutoranda em Sociologia no
Programa de Doutoramento Inter-Universitário OpenSoc

Este é o Mac, meu computador, parceiro de investigação e da vida digital. Numa tarde, na passada quarta-feira, Mac avariou… escreveu uma mensagem no ecrã dizendo: disco rígido cheio…

Num gesto claro de exaustão, desligou-se deixando apenas uma tentativa de reiniciar pela metade; o que mais me pareceu o símbolo da incompletude da vida moderna. Mas como pode um Mac avariar? Eu pensei que ele fosse forte. Como eu conseguirei recuperar meus ficheiros? Como dar continuidade à minha agenda profissional e aos meus compromissos académicos? Como solicitar os serviços de reparo neste período de encerramento parcial do comércio? Parece que muitas das minhas perguntas ficariam sem respostas durante esta pandemia.

Os ecrãs da minha casa. Foto: Madelon Schamarella

Continuar a ler

Quarantine Thoughts on Italy

Life_GOES ON 1

1 Xaver_Winterhalter_Decameron

The Decameron, 1837–1837. Franz Xaver Winterhalter. Oil on Canvas

Bojan Bilić, ICS-ULisboa

When I moved to Florence in September 2008, after being awarded a fellowship at the European University Institute, my life took a whole new course. As my train approached Santa Maria Novella, I caught a glimpse of the dome of Brunelleschi and a Stendhalian adrenaline rush fluttered though my chest inaugurating a period of immersion into many forms of beauty. Years of student hardship, the exhaustion provoked by endless political chaos, and the myriad dilemmas I had about my rigid patriarchal body, had already taken their toll making me long for pleasure.

Soon after my arrival, I started going for long walks from San Domenico’s Via dei roccettini to the Piazza San Marco, passing by the Medici villas full of cypress, lemon, and olive trees, and trying to convince myself that my new surrounding was indeed real. While I slowly synced with the imperceptible rhythm of Italian small city life, both in myself and in many of my colleagues, I noticed a remarkable transformation: tanned by the Tuscan sun, caressed by centuries of culture, and nourished by food prepared with love and attention, we received an injection of vitality that could hardly be matched by any of my subsequent experiences. Italy has given me far more than other places in which I have lived and the moment I step on its soil I am imbued with the feeling of being at home. Continuar a ler

Regressando à América do Sul – Emerson Pessoa, alumni de doutoramento (ICS-ULisboa)

RESEARCHING_LIVES.png

emerson

Emerson, onde estás agora e que planos tens para o presente?

Após o fim do doutoramento regressei para a Universidade Federal de Rondônia (UNIR-Vilhena) para retomar as atividades como professor de Sociologia no Departamento de Administração. Neste semestre estou a lecionar as disciplinas de Sociologia, Antropologia e Metodologia da Pesquisa Científica para as licenciaturas em Administração e Letras. Os planos a curto-médio prazo são prosseguir com as atividades como coordenador do grupo de pesquisa HIBISCUS (Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Gêneros, Discursos e Comunicação na Amazônia Ocidental), a orientação de Trabalhos de Conclusão de Curso e de Dissertações de Mestrado, Projetos de Extensão e a publicação dos artigos da minha tese.

Na tua bagagem o que levaste de melhor da academia portuguesa?

Os 4 anos em que cursei o doutoramento no ICS foram cruciais para o desenvolvimento das minhas habilidades como pesquisador. O ICS, principalmente na pessoa do meu orientador Vitor Ferreira, foi fundamental para o aprendizado de novas metodologias, técnicas de pesquisa e de análises de dados que serão utilizados nesta nova fase da minha trajetória como pesquisador e professor. Além disso, o doutoramento propiciou o contato com inúmeros pesquisadores de diversas regiões do mundo e consequentemente, a compreensão das diferenças, desigualdades e dificuldades dos campos acadêmicos. Por outro lado, as experiências na universidade portuguesa possibilitaram percepções críticas sobre a produção do conhecimento científico em Portugal e no Brasil e que serão valiosos para este novo momento da minha vida profissional.

No futuro, o ICS poderá vir a…

Ser a minha instituição de acolhimento para um futuro pós-doutoramento e/ou um parceiro no desenvolvimento das minhas próximas pesquisas. O ICS será lembrado como uma casa onde vivi um importante momento da minha trajetória acadêmica. Mais do que isso, um local onde constituí laços profissionais e de amizade. Agradeço à comunidade ICS pelo suporte recebido durante toda a minha estadia na cidade de Lisboa e no Instituto.

 

BIO

Emerson Pessoa doutorou-se em Sociologia (Programa Interuniversitário de Doutoramento OpenSoc), em 2020. Graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e fez mestrado nesta mesma área e instituição. As suas pesquisas permeiam as discussões sobre corpos, gêneros, sexualidades, biotecnologias e processos de subjetivação.

 

 

Procriação e Parentalidade em contexto de baixa fecundidade, mudança familiar e crise económica

111Vanessa Cunha é socióloga e investigadora no ICS-ULisboa.


To read the English version of this post, scroll down until [i]


O projeto PARENT: Procriação e Parentalidade em contexto de baixa fecundidade, mudança familiar e crise económica pretende apreender o impacto da crise económica e dos novos valores da parentalidade nas perspetivas e nas práticas procriativas em Portugal[1]. Tem como ponto de partida a severa queda da fecundidade durante a recente recessão, que acentuou o persistente declínio da fecundidade das últimas décadas, e as suas consequências para pais, famílias e sociedade portuguesa no seu conjunto. Continuar a ler

Uma experiência de pesquisa sobre práticas de agricultura urbana em Lisboa

lauraLaura Martins de Carvalho é doutoranda no Programa Doutoral em Saúde Global e Sustentabilidade da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), e doutoranda-visitante no ICS-ULisboa (Bolsa CAPES n: 88881.189504/2018-01).


Este post narra minha experiência de pesquisa sobre agricultura urbana (AU) na cidade de Lisboa. Cheguei à capital portuguesa em agosto de 2018 com a preocupação de entender as práticas de agricultura urbana nos bairros sociais da cidade. Isto porque eu já havia realizado pesquisa de campo em uma região socialmente vulnerável de São Paulo, a Zona Leste, e procurava em Lisboa o equivalente socioeconômico à região de investigação da capital paulistana.

Uma vez instalada em Lisboa, tinha a expectativa de ver os parques hortícolas “em pleno funcionamento e com alta produtividade”, mas não sabia que durante os meses de agosto e setembro os residentes lisboetas costumam estar de férias fora de Lisboa. Inicialmente visitei alguns parques hortícolas para me familiarizar com o cenário da AU na cidade (Telheiras, Jardim da Amnistia Internacional, Quinta da Granja e Quinta das Flores) e, como dito anteriormente, àquela altura havia poucos agricultores urbanos a trabalhar na terra. Para que as plantas não morressem no calor, os donos dos talhões pediam a amigos e vizinhos que as aguassem durante o período de férias. Devido às temperaturas elevadas, os agricultores procuravam ir aos talhões depois das 18h00, quando o calor já não era tão forte. Continuar a ler

Como pensam os Portugueses, hoje, a vida familiar?

Autores:

vascoVasco Ramos, Sociólogo e Investigador no ICS-ULisboa

vanessaVanessa Cunha, Socióloga e Investigadora no ICS-ULisboa

susanaSusana Atalaia, Socióloga e Investigadora no ICS-ULisboa


Quais as atitudes dos Portugueses perante a vida familiar? Como pensam, atualmente, a coabitação, o casamento e o divórcio? Como encaram o trabalho dentro e fora de casa considerando o género dos membros do casal? Que papel os pais reservam aos filhos na vida familiar? A análise de alguns indicadores do módulo Family and Changing Gender Roles integrado no inquérito ISSP – International Social Survey Programme[i] – aplicado em 2014, permite responder às questões colocadas e avaliar a mudança social ocorrida nesta esfera da vida dos portugueses. Continuar a ler