Uma espécie de diário de campo em tempos de pandemia: A vida continua e vai ficar tudo bem?

Life_GOES ON 1


Andreia Nascimento, doutoranda em Sociologia no ICS-ULisboa


Era aluna do 5.º e último ano do curso de sociologia quando, em plena pausa letiva de Natal, o meu pai morreu. Ele dizia frequentemente, embora raramente à minha frente, “Sou um pai orgulhoso. Tenho uma filha na universidade (e um filho no infantário)”, apesar de não ter seguido aquilo que ele considerava ser um curso com futuro, Direito. Era a primeira, do lado da família paterna, a frequentar o ensino superior.

Aos 17 anos, celebrados cerca de 15 dias antes, parti rumo a Lisboa numa época em que a TAP gentilmente não vendia o lugar central como resultado da sua política de conforto (qual medida de contingência face à COVID -19!) e dos telefonemas para a família após as 21h00 por ser mais económico. De levar comigo um cartão multibanco emprestado para a gestão orçamental longe de casa ser mais fácil e do depósito mensal de centenas de contos oriundos da conta da minha mãe, a quem telefonava sempre que as saudades eram grandes e o saldo pequeno – era tudo tão novo e empolgante.

Continuar a ler

Quem tem animais, tem espaço dentro de si

Life_GOES ON 1


Verónica Policarpo, ICS-ULisboa

Almoço de domingo, numa cozinha do Portugal rural, 1980. À longa mesa, reúne-se com alarido a grande família feita de muitos irmãos, cunhados e crianças, e encabeçada pelos patriarcas Maria e José (são mesmo estes os seus nomes, não surpreendentemente…). Da capital vieram os filhos para aí migrados há várias décadas, e que da vida rural guardam apenas as memórias de infância, reconstruídas com alguma fantasia, a cada serão, à lareira. De vez em quando, há visitas. E hoje, uma visita especial: é a “Tia do Estoril” que vem visitar a irmã e respetiva família, a matriarca Maria. Como o seu petit nom indica, a “Tia do Estoril” assim se chama porque migrou para o Estoril, e por lá abriu uma loja e fez vida, ao contrário da irmã que permaneceu na aldeia. Casou duas vezes, não teve filhos, chega envolta em casacos longos, e traz sempre uma companhia especial: a Babá, uma pequena Pinscher, aninhada no colo. A Tia reclama para a Babá um lugar à mesa, senta-a entre si e o marido. O olhar da matriarca Maria tolda-se, torce o nariz. Nesta casa, os cães são queridos e fiéis companheiros de trabalho, mas ficam “lá fora”, no quintal, na quinta. É lá que está o Badaró, fiel pastor alemão, cão de guarda da quinta, aguardando pacientemente que a noite chegue, para fazer a sua ronda. Agora, um cão sentado à mesa é coisa que nunca se viu. Mas o desconforto é absorvido pela efervescência do momento: o barulho das crianças, a alegria dos adultos em visita, o império do consenso familiar, em delicado equilíbrio que é preciso manter. A harmonia é conseguida pela naturalização de um comportamento atribuído à excentricidade da sua protagonista: afinal, a Tia do Estoril é uma pessoa em tudo diferente. Ter um cão que traz ao colo, e que come à mesa, é só mais uma das extravagâncias que dela fazem uma peça aparentemente desencaixada deste puzzle familiar.

Continuar a ler

À espera de a vida real reiniciar…

Life_GOES ON 1


Madelon Schamarella, doutoranda em Sociologia no
Programa de Doutoramento Inter-Universitário OpenSoc

Este é o Mac, meu computador, parceiro de investigação e da vida digital. Numa tarde, na passada quarta-feira, Mac avariou… escreveu uma mensagem no ecrã dizendo: disco rígido cheio…

Num gesto claro de exaustão, desligou-se deixando apenas uma tentativa de reiniciar pela metade; o que mais me pareceu o símbolo da incompletude da vida moderna. Mas como pode um Mac avariar? Eu pensei que ele fosse forte. Como eu conseguirei recuperar meus ficheiros? Como dar continuidade à minha agenda profissional e aos meus compromissos académicos? Como solicitar os serviços de reparo neste período de encerramento parcial do comércio? Parece que muitas das minhas perguntas ficariam sem respostas durante esta pandemia.

Os ecrãs da minha casa. Foto: Madelon Schamarella

Continuar a ler

On life: quando é que sabemos demais?

Life_GOES ON 1

Sara Merlini, Centro Interdisciplinar de Estudos de Género (ISCSP / ULisboa)

O Verão passado foi vivido intensamente cá em casa. A fase do doutoramento tinha acabado e os tempos turbulentos também. Antes disso, disseram-me que tínhamos sobrevivido a desafios “pouco recomendados” para a nossa idade… O que teríamos nós prevenido e quantos excessos cometemos? A palavra sobre-vivência foi a única que se encaixou na minha descrição de tudo, porque (só) viver implicaria um tipo de usufruto que, de certo modo, nos esteve vedado. Ou melhor, que foi sendo vivido por nós de uma forma muito peculiar. Esses horizontes de expectativa e espaços da experiência, sempre particulares e moldados em função de temporalidades e exigências, amadurecem-nos, constrangem-nos e formatam-nos, às vezes ao ponto da cegueira… Continuar a ler

A solidariedade não pode entrar em quarentena

Life_GOES ON 1

Maria Teresa Nobre, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Brasil)

 

Fique em casa, lave bem as mãos, use álcool gel, alimente-se, hidrate-se, durma bem. Mantenha distância das pessoas, use máscara, saia apenas para resolver questões essenciais, higienize as compras antes de guardá-las. Essas recomendações chegam-nos todos os dias, inúmeras vezes, através de todas as mídias, de modo que diante do pânico e da insegurança, para muitos o mais difícil não é ficar em casa, mas voltar para ela, como relatou-me um amigo por estes dias: “saímos tensos e voltamos estressados. Limpa tudo, lava tudo, sapatos no corredor”.

Mas… e para quem não tem casa e depende dos serviços públicos ou filantrópicos para alimentar-se, dormir, fazer higiene pessoal e até beber água?

Mesmos em tempos normais, a oferta desses serviços já era imensamente inferior à demanda de milhares de pessoas em situação de rua/sem abrigo no Brasil, que em 2015 já passavam dos 100 000, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

4

Viaduto do Baldo, em Natal (Brasil), onde vivem cerca de 30 pessoas em situação de rua. Foto: Maria Teresa Nobre (acervo pessoal) Continuar a ler

Diário do novo normal

Life_GOES ON 1

Sofia Aboim, ICS-ULisboa

Há pouco mais de três meses ninguém, ou quase ninguém sabia, que o vírus existia. A vida era simplesmente “normal” porque transcorria sem mais sobressaltos do que habitualmente. De um momento para o outro, tudo mudou deixando entrar um inesperado caos que trouxe consigo sentimentos de incerteza e insegurança, duas emoções que custam a digerir e se apresentam como um abalo estranho que nos desencaixa dos mundos e rotinas a que nos habituámos. Somos afinal seres de hábitos, como a sociologia tão bem nos mostra. Os riscos desconhecidos causam turbulência e estranheza.

Em 1992, Ulrich Beck advertia-nos que os perigos e inseguranças da sociedade contemporânea moderna são ainda mais sérios e perversos do que os que ameaçavam os nossos antepassados a braços com os labores de uma sociedade industrial desigual, pobre, profundamente insalubre e marcada pelo recorrente infortúnio de infeções tão temíveis, quão arbitrárias. A ideia de risco teorizada por Beck encaixa-se no presente, mas não chega para interpretarmos o momento atual. Estamos afinal perante um trauma histórico e social profundo que marcará vidas e dividirá gerações entre um antes e um depois da pandemia. Continuar a ler

“Onde gastei, eu, hoje, o meu tempo?”

Life_GOES ON 1

Vanessa Cunha, ICS-ULisboa

Em plena crise pandémica, o meu relógio parou… o de pulso, o que anda sempre comigo para todo o lado. Parou às 7 horas e 10 minutos. Se da manhã ou da tarde, não sei (é um relógio analógico)… Mas ambos os horários são igualmente sugestivos, pois reenviam-me para a minha existência pré-COVID-19, para um tempo em que 7:10 era (mais coisa, menos coisa) a hora de acordar, com a ajuda do despertador, e em que 19:10 era (mais coisa, menos coisa) a hora de chegada do comboio, de regresso a casa, ao final de um dia de trabalho. Marcadores dos meus ritmos diários, há anos, muitos, apenas dispensados em fins-de-semana e em férias, tempos menos espartilhados por horários rígidos.

Quando o relógio parou fiquei apreensiva: “Logo agora, que está tudo fechado! Onde vou eu desencantar uma pilha?” É preciso dizer que gosto de usar relógio (é uma segunda pele, tal como os óculos) e sempre resisti a substituí-lo pelo versátil telemóvel, que entre tantas coisas que nos permite fazer, ver as horas é apenas uma delas. Não é, contudo, a mesma coisa, não está sempre à mão, ao subtil e natural(izado) rodar do pulso, e é tão dispersivo que não me transmite a segurança de que sou dona do meu tempo (cada qual com a sua mania…).

Vanessas watch

O relógio da Vanessa

Continuar a ler

Rear window / Janela indiscreta

Life_GOES ON 1

Maria Manuel Vieira, ICS-ULisboa

Em 1954 estreava o filme Rear Window / Janela Indiscreta, de Alfred Hitchcock. Considerado por alguns críticos o melhor filme do realizador britânico, o cenário e o enredo apresentam curiosamente fortes homologias com a sociologia e o tempo presente.

O personagem principal, desempenhado por James Stewart, é um jovem fotógrafo a quem um acidente e uma perna engessada o atiram para um confinamento forçado no seu apartamento de Greenwich Village. Sentado numa cadeira de rodas, pretendendo refrescar-se da onda de calor que assola Nova Iorque, encontra distração nas ações dos indivíduos que observa atentamente da janela das traseiras (rear window), aberta de par em par. Encolhido o raio de visão ao tamanho da sua janela, descobre pela primeira vez o mundo próximo que o rodeia: os vizinhos dos apartamentos em frente, os utilizadores do pátio em baixo, os transeuntes que se deslocam no passeio da rua, entrevistos ao fundo.

O acompanhamento diário de hábitos, gestos e horários, ampliado nas lentes dos seus binóculos, permitem-lhe ser testemunha de um acontecimento fatal, que alimentará o clímax de mais este thriller, genialmente encenado pelo mestre do suspense.

Frame do filme Janela Indiscreta, de Alfred HitchcockFrame do filme Janela Indiscreta de Alfred Hitchcock

Continuar a ler

As tecnologias digitais entre os casais com filhos em tempo de Covid-19

Life_GOES ON 1

Silvia Di Giuseppe, doutoranda em Sociologia (OpenSoc), ICS-ULisboa

1A Itália foi, e continua a ser, o país europeu mais afectado pela Covid-19. Há semanas que se lê e se ouve falar, nos média, de permanência forçada em casa e possibilidade de saída apenas por extrema necessidade, dois dos imperativos categóricos estabelecidos pelo governo italiano para poder enfrentar a emergência, que os cidadãos devem tentar respeitar tanto quanto possível. Tendo em conta a propagação da pandemia, foram adoptadas medidas de contenção, ou seja, vários decretos legislativos actualizados, de acordo com a gravidade da situação, ao longo dos dias.

A parte mais visível desta situação para os cidadãos é que, na vida quotidiana, as consequências e reacções a estas restrições variam de pessoa para pessoa, apresentando, em alguns casos, um verdadeiro desafio entre risco e possibilidade. Continuar a ir trabalhar, por exemplo, é importante para prover às próprias necessidades económicas e familiares mas, ao mesmo tempo, o perigo de contrair o coronavírus está definitivamente ao virar da esquina. Para além dos pretextos de ir ao supermercado para comprar alimentos, ou à farmácia para medicamentos, outras situações podem acarretar problemas graves.

Continuar a ler

A Onda

Life_GOES ON 1

Ana Nunes de Almeida, ICS-ULisboa

E de repente, a onda que se abate sobre nós. Víamo-la distante, esquecendo que a globalização encurta o horizonte e o acelera. Víamo-la nos outros, esquecendo que os outros somos nós também. E era como se a nossa capacidade racional de pensar o mundo nos impedisse de prever que um pequeníssimo vírus, invisível e silencioso, tivesse o poder de suspender o mundo em poucas semanas. E de repente, a onda começou a cair na nossa praia também. Com mansidão, fechámo-nos em casa. De surpresa, de um dia para o outro. Afinal, começávamos a sentir na pele que o risco, aquilo sobre o que tanto teorizamos, é mesmo para levar a sério. Ou seja, existe, e existe naquele seu nível mais fundo: perder ou salvar a vida.

IMG_20200409_210129

Foto de Ana Nunes de Almeida

Continuar a ler