Regressando à América do Sul – Emerson Pessoa, alumni de doutoramento (ICS-ULisboa)

RESEARCHING_LIVES.png

emerson

Emerson, onde estás agora e que planos tens para o presente?

Após o fim do doutoramento regressei para a Universidade Federal de Rondônia (UNIR-Vilhena) para retomar as atividades como professor de Sociologia no Departamento de Administração. Neste semestre estou a lecionar as disciplinas de Sociologia, Antropologia e Metodologia da Pesquisa Científica para as licenciaturas em Administração e Letras. Os planos a curto-médio prazo são prosseguir com as atividades como coordenador do grupo de pesquisa HIBISCUS (Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Gêneros, Discursos e Comunicação na Amazônia Ocidental), a orientação de Trabalhos de Conclusão de Curso e de Dissertações de Mestrado, Projetos de Extensão e a publicação dos artigos da minha tese.

Na tua bagagem o que levaste de melhor da academia portuguesa?

Os 4 anos em que cursei o doutoramento no ICS foram cruciais para o desenvolvimento das minhas habilidades como pesquisador. O ICS, principalmente na pessoa do meu orientador Vitor Ferreira, foi fundamental para o aprendizado de novas metodologias, técnicas de pesquisa e de análises de dados que serão utilizados nesta nova fase da minha trajetória como pesquisador e professor. Além disso, o doutoramento propiciou o contato com inúmeros pesquisadores de diversas regiões do mundo e consequentemente, a compreensão das diferenças, desigualdades e dificuldades dos campos acadêmicos. Por outro lado, as experiências na universidade portuguesa possibilitaram percepções críticas sobre a produção do conhecimento científico em Portugal e no Brasil e que serão valiosos para este novo momento da minha vida profissional.

No futuro, o ICS poderá vir a…

Ser a minha instituição de acolhimento para um futuro pós-doutoramento e/ou um parceiro no desenvolvimento das minhas próximas pesquisas. O ICS será lembrado como uma casa onde vivi um importante momento da minha trajetória acadêmica. Mais do que isso, um local onde constituí laços profissionais e de amizade. Agradeço à comunidade ICS pelo suporte recebido durante toda a minha estadia na cidade de Lisboa e no Instituto.

 

BIO

Emerson Pessoa doutorou-se em Sociologia (Programa Interuniversitário de Doutoramento OpenSoc), em 2020. Graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e fez mestrado nesta mesma área e instituição. As suas pesquisas permeiam as discussões sobre corpos, gêneros, sexualidades, biotecnologias e processos de subjetivação.

 

 

LIFE Seminar | 14 Janeiro 2020

LIFE 14 JAN B_001

Neste seminário LIFE apresento o processo de pesquisa e os principais resultados da minha tese de doutoramento em Sociologia (Programa Interuniversitário de Doutoramento OpenSoc), intitulada “Encarnando a Europeia: biografias corporais, (i)mobilidades e subjetividades de trabalhadoras do sexo trans e travestis brasileiras em Lisboa”. A entrada é livre.

Esta tese busca compreender a construção de biografias corporais e de patrimônios de disposições de trabalhadoras do sexo trans e travestis brasileiras em mobilidade para Portugal e/ou no continente europeu. Por meio de entrevistas compreensivas e teoricamente orientado por uma Sociologia à escala individual e do corpo, analiso as disposições para a modificação do corpo e de produção do Eu produzidas no decorrer de trajetórias de vida que transitam por contextos sociais, geográficos e históricos distintos. Continuar a ler

Reading ‘LESBIAN ACTIVISM IN THE (POST-)YUGOSLAV SPACE: SISTERHOOD AND UNITY’

CAP


eduardaEduarda Ferreira is a researcher of CICS.NOVA – Interdisciplinary Centre of Social Sciences, at FCSH/NOVA (e.ferreira@fcsh.unl.pt)


‘Lesbian activism in the (Post-) Yugoslav space: sisterhood and unity’, edited by Bojan Bilić and Marija Radoman and published by Palgrave Macmillan (2018), is an important book for many reasons. Because it is about a geopolitical reality that still needs to be claimed and understood, the (post-)Yugoslav space; because it is about activism on a time that is ever more urgent to stand up and resist the backlash on human rights; because it is about discrimination on ground of sexual orientation, still a widespread reality in most countries all around the world; because it is specifically about lesbians and gender matters in all contexts of life including, or even particularly, in what concerns sexuality and human rights; because although it is written in English it is not a book that (re)produces the Anglo-American hegemony on academia and production of knowledge, it uses English as a working language to expose Yugoslav activist struggles to international audiences. Continuar a ler

What’s in a Diary? An Autoethnographic Tale about Self-Narratives

IMG_20180628_115228David Primo is PhD candidate in Social Sciences at the University of Padua, and Visiting PhD at ICS-ULisboa.


Can the private life of a researcher be of scientific interest? A long-standing tradition of research inspired by the (neo)positivist scientific research maintains the idea that the subjectivity of the researcher is a disturbing element that should be erased. Nonetheless, the constructionist turn in social and human sciences undermined the idea that the researcher can be a neutral observer.

Autoethnography develops the non-neutrality of the researcher and claims that personal experiences could be a starting point of the investigation of the cultural context. Indeed, a common idea shared by different approaches to autoethnography is that the awareness about one’s own symbolic and material position in society can shed a light on the power dynamics which are at play in different situations.

But what is Autoethnography?

btrmdn

Chang (2008, p. 43) affirms that “stemming from the field of anthropology, autoethnography shares the storytelling feature with other genres of self-narrative, but transcends mere narration of the self to engage in cultural analysis & interpretation”. Therefore, what defines this method is the explicit intent to find a link between personal experiences and cultural processes. Continuar a ler

Affective Implications of LGBT Rights Advancement in the Post-Yugoslav and Iberian Spaces: Towards a Research Agenda

vz.pngBojan Bilić, Investigador Pós-Doc (ICS-ULisboa)


EFHands_Web

Neither numerous structural/historical accounts of activist victories nor widespread analyses of Europeanisation, activist NGO-isation, and human rights advancement are sufficient to capture affective ambiguities stirred by two opposing but contemporaneous processes that have been taking place in the European semi-periphery: impressive LGBT legal emancipation, on the one hand, and the increasing precarisation, on the other. This research project aims to bring together the post-Yugoslav (Serbia and Croatia) and Iberian (Portugal and Spain) spaces to examine affectively mediated ways in which recent LGBT rights evolution and an intense juridification of LGBT politics have been intertwined with the deterioration of economic and social networks. Continuar a ler

Políticas do desejo: representações coloniais nas relações entre trabalhadoras do sexo brasileiras e clientes portugueses

emerson.pngEmerson Pessoa – Doutorando em Sociologia no ICS-ULisboa, pelo Programa OpenSoc, professor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Líder do Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Gêneros, Discursos e Comunicação na Amazônia Ocidental (HIBISCUS)


A globalização e a mobilidade de pessoas na contemporaneidade potencializaram os processos de mudança entre o local e o global. As teorias das migrações desenvolveram discussões sobre as transformações culturais e políticas relacionadas com este processo e os reflexos na vida dos atores envolvidos. As relações entre migrantes e pessoas do país de destino tornaram-se importantes na compreensão das culturas e das contradições resultantes deste movimento em contexto pós-colonial. Neste cenário, os estudos envolvendo sexualidade, afetos e migração possibilitaram compreender os diversos intercruzamentos entre a tradição e a modernidade, o público e o privado, o nós e o outro, o natural e o exótico, o centro e a periferia, as transformações dos papeis de gêneros e as práticas da sexualidade. Continuar a ler