Making sense of young people’s negotiation of tourism landscapes in Goa and Lisbon

Sinead D’Silva, Research Fellow at Instituto de Ciências Sociais – Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa)

In this blog post, I want to spend some time talking about the motivation behind my research, exemplified through the active form of resistance and sense of place-making by young people in Goa as they make sense of their futures by confronting their present and past.

First, I will provide an overview of the project, followed by some primary observations and an example of why I feel it is crucial to not forget that even in situations of seeming complacency or even existence for sustenance, resistance may eventually emerge. Finally I will explain the expected direction for the research to proceed. Here, the young person is located within the research as considerations are made regarding ‘futures’.

Continuar a ler

Educational provision and professional training for youth in contemporary art museums| 26 Janeiro | 11h





Na próxima terça-feira, dia 26 de janeiro de 2021, o LIFE Webinars contará com a participação de Carolina Silva, do ICS-ULisboa.


Os jovens são muitas vezes vistos como ‘outsiders’ nos públicos dos museus, especialmente quando considerados como visitantes independentes – fora do contexto escolar ou de visita em família. No entanto, nas últimas décadas tem-se registado um crescente investimento em programas para jovens, com destaque para iniciativas continuadas, sustentadas numa abordagem de cocriação – para e com os jovens.

Continuar a ler

Carolina Silva e a educação e formação para jovens em museus de arte contemporânea

Carolina Silva é investigadora no ICS ULisboa com uma Bolsa Marie Curie – Career restart (2020-2023), com o projecto “Educational provision and professional training for youth in contemporary art museums”, com supervisão de Vítor Sérgio Ferreira.

Quando é que o teu interesse em trabalhar/investigar o domínio da educação artística se tornou uma coisa ‘séria’?
É um interesse movido por uma grande curiosidade e inquietude, e como tal é acima de tudo uma coisa ‘viva’. Embora tenha formação em belas artes, como artista, desde cedo percebi que me interessava tanto ou mais pelas relações que as pessoas criam com a arte, e entre si através da arte, do que pela arte enquanto prática individual. A educação artística em Portugal é uma área pouco densa, tanto no domínio profissional como da investigação, o que não ajudou a ancorar a minha vontade em explorar este território. Diria por isso que foram vários encontros e momentos ao longo do meu percurso que contribuíram e contribuem para ver o meu trabalho em educação artística também como uma coisa ‘séria’.

Continuar a ler

Da pré à pós pandemia: Desafios e dilemas da investigação



Andreia Micaela Nascimento é doutoranda em Sociologia (OpenSoc) no ICS-ULisboa

As inquietações que motivaram o desejo de estudar os projetos de vida ligados ao ensino superior dos jovens estudantes finalistas do ensino secundário na Madeira surgiram de pistas soltas, resultantes de um longo percurso de trabalho e de pesquisa sobre os estudantes da Universidade da Madeira (UMa), em especial, sobre as suas dificuldades, escolhas e motivações.

Continuar a ler

A Festa acabou? Jovens em tempo de pandemia | 10 Novembro | 11h





Na próxima terça-feira, dia 10 de novembro de 2020, o LIFE Webinars contará com a participação de Ana Sofia Ribeiro, Maria Manuel Vieira e Ana Nunes de Almeida, investigadoras no ICS-ULisboa, que nos irão apresentar alguns dos resultados de um inquérito online sobre a Pandemia Covid-19, realizado por uma equipa de investigadores do ICS/ISCTE, com especial enfoque sobre o quotidiano em confinamento dos jovens dos 16 aos 24 anos.


Continuar a ler

Sílvio Carvalho e a performance biográfica pela canção com docentes do ensino básico

RESEARCHING_LIVES.png

Sílvio Roberto Silva Carvalho, graduado em Pedagogia e doutor em Artes Cénicas, é professor adjunto da Universidade Federal da Bahia.

Ateliês de performances biográficas pelas canções populares: impactos de uma experiência (autoformativa) é a pesquisa de pós doutoramento que desenvolve como investigador-visitante no ICS-ULisboa, com a supervisão de José Machado Pais.

Que estudo tem em mãos?
Um estudo sobre a potência da canção popular na produção de processos de subjetividade, desenvolvida no meu doutoramento (Construções Biográficas pelas Canções Populares), e que será publicada, ainda este ano, pela Cátedra de Leitura da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Há um ano retomei a pesquisa sobre a temática, com foco na formação continuada de professores da Escola Básica. A estratégia é a realização de ateliês de performances biográficas pelas canções, com professores da Escola Básica, nas cidades de Braga e Guimarães.

Infelizmente, a pandemia interrompeu o andamento do projeto. Os sujeitos da pesquisa, com o ensino remoto, não tiveram condições físicas e psicológicas para continuarem, mesmo virtualmente. Portanto, estou a repensar o projeto.

Como o situa no seu percurso biográfico/académico?
Nunca pensei ser professor. Sempre quis ser artista. Desde os 12 anos toco violão, gosto de cantar e contar. Acontece que sou de uma família pobre, nascido em uma cidade pequena do interior da Bahia, onde livros eram coisa rara. Mas os sonhos de estudar, ser artista e morar na cidade grande eram maiores que as limitações. Ao chegar em Salvador, com 18 anos, tive que trabalhar para me sustentar e ajudar meus pais nas despesas com a família que, àquela altura, era formada por mais seis filhos além de mim, o mais velho. A vida foi difícil, mas com muitas possibilidades.

Ao fazer o vestibular para ingressar na Universidade não tive dúvida: matriculei-me no curso de música. Fui aprovado, mas não pude cursá-lo, o curso era diurno e eu trabalhava o dia inteiro. Como só tinha horário livre à noite, procurei um curso noturno. O único que me agradou foi pedagogia. Na universidade descobri que havia muitas possibilidades para incluir as minhas artes nos processos pedagógicos.

Todo o meu percurso de pesquisa (especialização, mestrado e doutorado), de uma certa maneira, foi voltado para questões relacionadas à leitura de mundo, de si e do outro, sempre utilizando-me da canção. E por trabalhar com essas questões de leitura, senti-me estimulado e, de certa maneira, na obrigação de pensar uma metodologia de trabalho que possibilitasse a ressignificação das questões subjetivas dos sujeitos participantes, que gerasse uma abertura na relação desses com os saberes formais e não formais e, consequentemente, que pudesse ser um campo concreto de pesquisa.

Amparado nas abordagens (auto)biográficas, passo a desenvolver os ateliês de performances biográficas pelas canções populares, uma proposta teórico-metodológica de autoformação, que, através das histórias de vida, busca colocar em cena o “eu” e o “outro” e tem como ponto de partida as canções que marcaram as vidas dos sujeitos. É com esse trabalho que me coloco na condição de pesquisador e educador, inclusive como investigador-visitante do ICS. Mas gosto muito de me afirmar como professor-artista. Ou vice-versa, a depender da situação.

O violão, as canções e as narrativas sempre estiveram presentes na minha vida de estudante de pedagogia, de professor universitário, de palestrante etc. Não sei fazer nada sem envolver essa tríade, sem trazer a minha arte intuitiva.

O recolhimento e o isolamento social gerados pela atual situação pandémica inspiraram muitas canções e performances em novas janelas. Inspirador para o seu objecto e/ou método de estudo?
Certamente. O recolhimento e o isolamento social foram fundamentais para repensar o meu objecto e o próprio método de estudo. Por exemplo, vi a possibilidade de construir um formato online para desenvolver os ateliês. Embora já tivesse feito muita coisa nas linguagens das novas tecnologias, ainda não tinha pensado, concretamente, na possibilidade de realizá-los virtualmente.

Neste período, também, observei a música como a grande companheira de muitas pessoas, inclusive daquelas que não tinham ou perderem o hábito de ouvir música de forma contemplativa. Eu mesmo me vi apreciar, de forma muito diferente, canções que considerava razoáveis. Durante o isolamento social, essas canções ganharam, de mim, novos significados.

O recolhimento e o isolamento social inspiraram-me, também, a produzir novas canções e performances em novas janelas. Pelo menos uma nova canção ficará pronta até o meu retorno ao Brasil. Novas performances foram produzidas por mim durante o respectivo período, em forma de série de vídeos: Histórias de Maria. É um trabalho autobiográfico, centrado nas ambiências afetivas produzidas pela personagem principal: Maria.

Onde viveu a maior parte da sua vida e o que gostaria de destacar desse lugar?
A maior parte da minha vida vivi em Salvador/Brasil. Saí da minha terra natal, Inhambupe (interior da Bahia), com 18 anos, a fim de estudar e trabalhar na capital.

Inhambupe era uma pequena cidade do nordeste brasileiro, marcada por uma praça, uma igreja católica no centro, algumas ruas, duas escolas primárias e um colégio secundário, uma população urbana com aproximadamente 4 mil habitantes, uma feira animada por cantadores de cordel, um cinema improvisado e um alto-falante que funcionava das 18 às 22 horas, com energia elétrica à base de um gerador que só funcionava, também, nesse mesmo período de horas.

Livros, por lá, eram coisa rara. Mas, até à adolescência, as narrativas e as canções lançaram mundos na minha imaginação e ajudaram-me a transpor os limites impostos pelas condições econômicas em que vivíamos. Em outras palavras, foram o ponto de partida para que algo se movesse em mim, fizeram-me romper tratados, trair ritos, ajudaram-me a ampliar o tempo, a transcender o presente e a inventar mares e cais. Ou seja, impediram-me de ficar fora do mundo.

Por fim, as narrativas e as canções de alto-falante (conceito que uso na minha tese) foram os meus livros, fizeram-me leitor. Essas experiências, construídas em Inhambupe, foram imperativas na minha formação, no meu gosto pela palavra, pela música, pela arte.

Em Salvador, o encantamento com o mundo urbano. Os cinemas, os teatros, a universidade, o estádio de futebol, os bares, o mar… Apaixonei-me pela cidade. Hoje, é nela e dela que vivo. De Inhambupe trago os princípios, os valores, as crenças, os saberes não formais. De Salvador, a formação acadêmica, a descoberta de novas belezas, a sobrevivência.

Que músicas e que histórias biográficas vêm despertando da sua vivência em Portugal?
Nesses tempos de isolamento, até mesmo pelo fato de não ter podido desenvolver os ateliês junto aos professores das escolas selecionadas para a pesquisa, muitas foram as canções que me visitaram, inclusive os fados antigos que ouvia quando era criança. Contudo, a emoção mais forte aconteceu no dia primeiro de maio.

Às 20 horas, inesperadamente, ouvi os sinos da igreja, que fica ao lado da minha casa em Braga, tocarem “Treze de Maio”, canção religiosa que conta a aparição da Virgem Maria aos pastorinhos de Fátima. Logo nas primeiras notas, indentifiquei os primeiros versos: “A treze de maio / na Cova da Iria / No céu aparece / A Virgem Maria”. A minha infância veio toda e fiquei muito emocionado. Primeiro, as imagens das meninas da minha terra natal vestidas de anjos, a levar flores para Nossa Senhora durante todo o mês de maio. Depois, as imagens da minha madrinha a contar-me a história dos três pastorinhos, da Cova da Iria, da cidade de Fátima, da aparição da Virgem, e eu ali, junto a ela, com medo de que a Santa aparecesse para mim.

A partir desse dia, uma nova canção vinha-me à lembrança e remetia-me ao período da minha infância, em Inhambupe. A emoção era muito forte e fazia lembrar-me da minha madrinha a contar-me uma história ou a ouvir o repertório musical que tocava no rádio da sua casa. Foram tantas as lembranças que resolvi contar as minhas primeiras experiências estéticas e de descobertas do mundo construídas nas ambiências leitoras produzidas por Maria, a madrinha.

A princípio, resolvi escrever crônicas. Por fim, produzi uma série de vídeos, com sete episódios, cada um em torno de quinze a vinte minutos, intitulada Histórias de Maria. Na verdade, essa passou a ser a minha atividade de produção acadêmica e artística: pesquisar sobre a díade marcada, principalmente, pela reciprocidade e o afeto. Assim, criei um cenário que pudesse remeter a um ambiente doméstico permeado pela leitura. Sentado em uma cadeira, ao lado de uma pequena mesa com livros, uma caneca e um lampião, eu conto e canto as histórias e canções que marcaram a relação entre o menino e sua fada madrinha. A série está disponibilizada no meu canal de Youtube. As canções que me chegavam eram de gêneros diversos. Foi uma experiência maravilhosa e acho que vai terminar em um livro.

No prelúdio da canção “Acho que chegou a hora”, o músico português Tiago Bettencourt diz que “não é boa ideia deixar assuntos pendentes a não ser que seja numa canção”. Alguma coisa pendente, na sua busca, neste momento? Ou alguma canção para o exprimir?
Nas canções, alguma coisa sempre parece ficar pendente. Mas não é mesmo boa ideia deixar assuntos pendentes. A minha mãe nos botava sentados ao seu lado para bordarmos enormes peças de cama e mesa. Eventualmente, ela alertava: “Preste atenção à costura. Se der um ponto errado desfaça-o imediatamente. Com a costura pronta não tem como desfazer-se um ponto errado”. Entretanto, por mais cuidado que se tenha com o bordado, alguma pendência parece ficar.

A pandemia produziu, entre outras coisas, frustrações. A minha grande frustração, que tomo como pendência, foi: o trabalho de investigação e formação que me propus a desenvolver, aqui em Portugal, não pode ser concluído. Apesar de ter apelado para outras formas, como o virtual, não consegui realizar os ateliês. Essa é uma pendência, uma grande frustração.

É claro que construí outras coisas. Mas a minha vinda foi com esse objetivo e esse ainda não foi cumprido. Portanto, como diz uma canção minha e da Roseana Murray, chamada Espera: “Aqui estou / De pé na sua porta / Na sua pele / Bato palmas / Toco os sinos / Num sortilégio estranho / Digo o teu nome tantas vezes / Que o mar adormece”. Espero, assim, voltar um dia e resolver essa pendência.

O que esperava encontrar na Academia portuguesa?
Esperava encontrar um ambiente rico em produções acadêmicas, muito formal e com grandes possibilidades para a ampliação dos meus estudos. Além disso, esperava encontrar as condições ideais para o trabalho acadêmico, uma vez que, no Brasil, temos muitas dificuldades de toda ordem (administrativa, econômica e política).

O que já encontrou?
Tudo o que eu esperava. Nesse sentido, a minha expectativa não foi frustrada. Ao contrário. Além de encontrar um ambiente com muita produção científica, com grandes possibilidades para a ampliação dos meus estudos, experienciei, aqui, coisas pouco comuns no mundo acadêmico. Primeiro, a solidariedade, a generosidade e a sensibilidade do Professor José Machado Pais, meu supervisor. O acolhimento do Professor Vitor Sérgio Ferreira, ao me convidar para participar dos seminários do Grupo LIFE, foi, também, uma marca da generosidade e sensibilidade que cercam o ICS.

Segundo, destaco a maneira generosa como o meu trabalho de pesquisa e formação, tanto em Lisboa como em Braga e em Guimarães, foi recebido. Em Braga, tive ainda o apoio incondicional do Professor Carlos Veiga, da direção da Escola André Soares e das professoras que se envolveram no projeto de pesquisa e formação. Em Guimarães, o apoio da Professora Luíza foi também generoso. Portanto, retornarei ao Brasil com a melhor impressão possível sobre a Academia Portuguesa e, especialmente, sobre as pessoas com quem tive contato direto.

Bio

É graduado em Pedagogia e doutor em Artes Cénicas. É professor adjunto da Universidade do Estado da Bahia e trabalha com temáticas voltadas para a (auto)biografia, arte, educação, formação de professores, leitura e família. Pesquisa sobre a potência da canção na produção de subjetividades e desenvolve, em diversos grupos e instituições, o Ateliê de Performances Biográficas pelas Canções Populares, proposta metodológica para a autoformação e construção de uma ética crítica e interpretativa, da vida como um valor. Atua como palestrante e consultor. É, também, cantor, compositor e contador de histórias.

Follow him on…
Youtube

Retrato dos estudantes à saída do ensino secundário: Traços e (algumas) tendências | 21 Julho | 11h





Na próxima terça-feira, dia 21 de julho 2020, o LIFE Webinars contará com a participação de Andreia Micaela Nascimento, doutoranda em Sociologia (OpenSoc) no ICS-ULisboa, que virá apresentar-nos alguns resultados da sua investigação de doutoramento intitulada “Para além do Ensino Secundário: autonomia juvenil e mobilidade na construção dos projetos de vida ligados ao ensino superior”.


Continuar a ler

O papel do dinheiro na Transição para a Vida Adulta | 14 Julho | 11h





Na próxima terça-feira, dia 14 de julho 2020, o LIFE Webinars contará com a participação de Filipa Cachapa, doutoranda em sociologia no ICS-ULisboa, que virá apresentar-nos os principais resultados da sua investigação de doutoramento intitulada “O papel do dinheiro na transição para a vida adulta: percursos e representações”.


Continuar a ler

Políticas de regulação e desregulação: trabalho sexual e precarização do mercado de trabalho | 16 Junho | 11h





Na próxima terça-feira, dia 16 de junho 2020, o LIFE Webinars contará com a participação de Roseli Bregantin Barbosa, doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Paraná, Brasil, e doutoranda-visitante no ICS-ULisboa, que virá apresentar-nos o seu projeto “Políticas de regulação e desregulação: trabalho sexual e precarização do mercado de trabalho”.


Continuar a ler

Youth negotiation of tourism-based employment in Goa and Lisbon: project introduction |9 Junho | 11h





Na próxima terça-feira, dia 9 de junho 2020, o LIFE Webinars contará com a participação de Sinead Marian D’Silva, investigadora no ICS-ULisboa, que virá apresentar-nos o seu projeto “YouthExistInTourism: Youth negotiation of tourism-based employment in Goa and Lisbon” [Grant agreement ID: 867466].



Continuar a ler