O que pode a capoeira?

Untitled-2

Igor Monteiro – Capoeirista, Pós-doutorado em Sociologia Urbana (UFC), Doutor em Sociologia (UFC), professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB).


fig1

Roda de capoeira, com os integrantes do Centro Cultural Capoeira Água de Beber, nas margens da Lagoa da Itaperaoba – Serrinha, Fortaleza-CE.Enter a caption

Para além de sua inscrição rebelde no curso da história, a capoeira apresenta-se como algo da ordem da resistência também no que se refere às tentativas, sobretudo mobilizadas por parte da academia, de domesticá-la a partir de definições rígidas, de representações totalizantes e de aspirações de pureza. Ao considerá-la em termos de experiência, ou seja, tomando como horizonte suas figurações concretas, o que parece surgir – engendrando, pelo menos a meu ver, um enorme desafio para qualquer pesquisador ou pesquisadora – é uma expressão de pluralidade, afeita – justamente por este caráter múltiplo – a noções tais como a de mistura, movimento e rasura, por exemplo.

Explico-me melhor, mais que um jogo, uma dança ou luta – como, comumente, era definida por determinados discursos, situados em certos momentos históricos – a capoeira deve ser pensada de maneira mais alargada, tendo reconhecida sua constituição complexa que envolve, apenas à título de ilustração, dimensões como as da ludicidade, ancestralidade, alacridade, circularidade, oralidade e musicalidade. Ainda sob esta perspectiva mais dilatada, a capoeira passa a ser compreendida como uma espécie de dispositivo de reflexão histórico-social, passível de acionamento em distintos contextos (na escola, na comunidade, na rua etc.), que não deixa de ser investida também de conteúdos políticos.

fig2

Integrantes do Centro Cultural Capoeira Água de Beber em ação na rotunda do elevado do Aeroporto Internacional Pinto Martins – Serrinha, Fortaleza-CE.

Continuar a ler

Pessoas sem abrigo: percursos de uma investigação no Brasil e em Portugal

mtn

Maria Teresa Nobre é Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Investigadora Visitante no ICS (tlnobre@hotmail.com)


 

Fig.1 – Pessoas em situação e rua e sem abrigo, no Brasil e em Portugal
(Foto: Maria Teresa Nobre)

Como pessoas em condições extremas inventam a vida de cada dia? Parti desta questão norteadora para realizar uma investigação no Brasil e em Portugal, com o objetivo de conhecer modos de vida de pessoas sem abrigo ou que vivem “em situação de rua”.  Neste post descreverei os percursos do trabalho de campo, através da utilização de estratégias metodológicas que permitiram-me acessar o cotidiano dessas pessoas. A construção das narrativas privilegiou a fala dos sujeitos em situações espontâneas, captadas em conversas e em deambulações pelas cidades.

O trabalho dividiu-se em duas fases: a primeira em Natal, no nordeste brasileiro, entre 2013 e 2016, realizada junto ao Movimento da População em Situação de Rua, configurou-se como pesquisa-intervenção em direitos humanos. Após três anos deste trabalho, o foco deslocou-se da macro para a micropolítica, impondo novas questões de investigação: Como habitam e circulam nas cidades esses “nômades contemporâneos”? Que espaços urbanos ocupam e como reinventam objetos e percursos? Como enfrentam as adversidades? Como ressignificam as categorias de tempo e espaço nas suas vivências cotidianas?

Na segunda fase da investigação, entre agosto de 2016 e maio de 2017, em Fortaleza e Lisboa, o cotidiano emergiu como categoria central, da qual apropriei-me através das teorizações de Michel de Certeau e de José Machado Pais. De ambos tomei a noção de cotidiano como algo que difere de dia-a-dia, pelo seu caráter enigmático e singular, escondido sob as operações corriqueiras e aparentemente repetitivas, a serem reveladas pelo trabalho de decifração dos sentidos e lógicas que as práticas comportam, que cabe ao cientista social realizar. Continuar a ler

Música, afetos e processos de subjetivação com jovens de baixa renda

martha.png Martha Bento Lima é pós-doutoranda na Universidade Federal Fluminense no Brasil, e investigadora visistante no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.


Venho de uma formação em Música, Biodança e Psicologia, sendo as primeiras determinantes no modo como encaminhei minha formação no campo psi. A experiência com os dispositivos artísticos, seja por meio de uma prática e formação musical, e também por meio de uma formação em Biodança, prática que tem a música e a dança como dispositivos artísticos – terapêuticos, produziu em mim questionamentos / inquietações durante minha formação em Psicologia, que permearam uma reflexão crítica de uma abordagem da subjetividade que abrangesse a dimensão ético-estética- política da natureza humana, abrindo-se assim a compreensão dos modos de vida através dos dispositivos da arte, em especial; da música. Nesse percurso, realizei projetos com jovens de baixa renda no Brasil.

Continuar a ler